E-books

Nesta área do site estão alguns E-books encontrados na internet que complementam os estudos do Grupo DEC.

CONVITE À FILOSOFIA-  Marilena Chaui

“Um marco no ensino da Filosofia no Brasil, de uma das mais prestigiadas intelectuais brasileiras. Por meio de uma linguagem acessível, trata de forma contextualizada os temas importantes da reflexão filosófica, conduzindo à profundidade dos grandes pensadores. Um exuberante exercício do pensamento que fomenta a reflexão crítica e amplia os horizontes do leitor. Principais diferenciais da obra: o livro discute os grandes temas da Filosofia, como razão, verdade, conhecimento, ciência, lógica, ética, política, arte, religião e metafísica; a autora contempla questões relacionadas à cidadania, à democracia, aos direitos humanos, às novas tecnologias e às posturas éticas de seu tempo; mais de mil questões com respostas no Manual do Professor possibilitam uma revisão eficiente de cada capítulo” ( GoogleBooks)

NIETZSCHE E A FILOSOFIA – Gilles Deleuze

“Este livro apresenta os seguintes capítulos – O conceito de genealogia, O sentido, Filosofia da vontade, Contra a dialéctica, O problema da tragédia, A evolução de Nietzsche, Dionísio e Cristo, Existência e inocência, O eterno retorno, O simbolismo de Nietzsche, A vontade de poder, Quantidade e qualidade, Nietzsche e a ciência, Os valores, O método, Contra Schopenhauer, Kant, Deus morreu, O niilismo, Dionísio e Zaratustra.” ( GoogleBooks)

DEZ LIÇÕES SOBRE ESTUDOS CULTURAIS: A FORMAÇÃO DOS ESTUDOS CULTURAIS  –  Maria Elisa Cevasco

“Dez lições sobre estudos culturais mapeia o terreno social onde surge a disciplina na Inglaterra dos anos 1950, suas relações com a Nova Esquerda inglesa, sua institucionalização no ensino superior britânico e sua expansão para os Estados Unidos e conseqüente globalização. Além disso, procura esclarecer as implicações políticas de cada giro teórico e avaliar a contribuição dos diferentes pensadores para o projeto principal da disciplina: explicar o funcionamento da cultura no mundo contemporâneo e pensar como a produção cultural pode contribuir para tornar o mundo mais justo e igualitário.” ( BoiTempoEditorial)

MICROFÍSICA DO PODER – Michel Foucault 

“A medicina, a psiquiatria, a justiça, a geografia, o corpo, a sexualidade, o papel dos intelectuais e o Estado são analisados por Foucault em vários artigos, entrevistas e conferências reunidos neste livro. Todos os textos têm como tema central a questão do poder nas sociedades capitalistas – a sua natureza, seu exercício em instituições, sua relação com a produção da verdade e as resistências que suscita.” (GoogleBooks)

CONSUMIDORES y CIUDADANOS: CONFLICTOS MULTICULTURALES DE LA GLOBALIZACIÓN-  Nestor Garcia

Neste livro de Nestor Garcia encontramos reflexões sobre alguns aspectos que dão forma a produção dos bens culturais e de consumo, assim como pensar sobre os mesmos mecanismos de apropriação destes. Nestor Garcia sobre este trabalho diz:”Este volumen esta a mitad del camino entre un libro de investigacion y un conjunto de ensayos”( Resêna)

A ORDEM DO DISCURSO – Michel Foucault

” Ordem do Discurso é um livro que reproduz a aula inaugural ministrada por Michel Foucault ao assumir a cátedra vacante no Collège de France pela morte de Jean Hyppolite em 2 de Dezembro de 1970. Tal obra pode ser considerada um texto de ligação entre as obras, datadas da década de 1960, como História da loucura, As Palavras e as coisas, A Arqueologia do saber, centradas predominantemente na análise das condições de possibilidade das ciências humanas.” (Wikipédia)

VIGIAR E PUNIR: NASCIMENTO DA PRISÃO – Michel Foucault

“Um exame dos mecanismos sociais e teóricos que motivaram as grandes mudanças que se produziram nos sistemas penais ocidentais durante a era moderna. É dedicado à análise da vigilância e da punição, que se encontram em várias entidades estatais (hospitais, prisões e escolas). Embora baseado em documentos históricos franceses, as questões sobre as quais se debruça são relevantes para as sociedades contemporâneas. É uma obra seminal que teve grande influência em intelectuais, políticos, activistas sociais e artistas.” (Wikipédia)

O OUVIDO PENSANTE  – R. Murray Schafer

“Esta obra é uma coletânea de ensaios sobre a concepção sonora e musical de seu autor, o músico canadense Murray Schafer. Reunidos em seis grandes grupos temáticos, os textos descrevem a maneira a que Murray, que é professor de música, recorre para despertar seus jovens alunos para o que ele chama de ‘paisagem sonora’, e não apenas para a música como esta é cotidianamente compreendida. Cunhado pelo autor, o conceito de ‘paisagem sonora’ abrange sonoridades em geral, abarcando o inestimável leque de ruídos urbanos e naturais.” ( LivrariaCultura)

O MAL-ESTAR DA PÓS-MODERNIDADE – Zygmunt Baumann

“Zygmunt Bauman faz uma vigorosa reflexão sobre as ansiedades modernas, estabelecendo nexos diretos com o famoso “O mal-estar da civilização, de Freud”. Para o sociólogo, a marca da pós-modernidade é a própria “vontade de liberdade”, princípio que se opõe diretamente à segurança projetada em torno de uma vida social estável, ou da ordem, como pensou Freud.Com suas análises ecléticas e originais, o autor também aborda, entre outros temas, as ideias de Richard Rorty, Michel Foucault e Anthony Giddens. Enquanto outros teóricos do pós-modernismo assinalam a fragmentação da cultura e do sujeito contemporâneos, Bauman lida com a universalização do medo ou das perdas derivadas da troca da ordem pela busca da liberdade.” (LivrariaCultura)

VIDA LIQUIDA – Zygmunt Baumann

“Este livro procura apresentar um compêndio dos efeitos que a estrutura social e econômica, com base no que é descartável e efêmero, gera na vida, seja no amor, nos relacionamentos profissionais e afetivos, na segurança pessoal e coletiva, no consumo material e espiritual, no conforto humano e no próprio sentido da existência. Em ‘Vida líquida’, Zygmunt Bauman retoma o tema da fluidez da existência contemporânea, segundo o sociólogo, a ‘precificação’ generalizada da vida social e a destruição criativa própria do capitalismo suscitam uma condição humana na qual predominam o desapego, a versatilidade em meio à incerteza e a vanguarda constante do eterno recomeço.” (LivrariaCultura)

TEORIA CULTURAL E EDUCAÇÃO: UM VOCABULARIO CRÍTICO – Tomaz Tadeu

“Ao ler, nos últimos anos, textos de Teoria Educacional, quem não se deparou com termos como “metafísica da presença”, “sujeito”, “performatividade”, “binarismo”, “episteme”, falagocentrismo”, entre muitos aparentemente estranhos às preocupações das teorias pedagógicas e curriculares? Essa proliferação, na teorização educacional, de termos tomados de empréstimo à teorização social e cultural, demonstra seu amplo caráter intertextual. Este livro apresenta mais de 200 verbetes originados de campos tão diversos como a Filosofia, Teoria Literária, Estudos Culturais, Psicanálise e Sociologia.” ( Autentica)

PESQUISA SOCIAL: TEORIA, MÉTODOS E CRIATIVIDADE – Maria Cecilia de Souza Minayo

“Este livro introduz o estudante de graduação ao mundo da investigação social e da pesquisa qualitativa. Pela sua linguagem simples e objetiva, atende aos interesses dos universitários das mais diferentes áreas que desejam aprender a escrever um projeto de pesquisa e iniciar-se no trabalho empírico” (GoogleBooks)

DA DIÁSPORA: IDENTIDADES E MEDIAÇÕES CULTURAIS – Stuart Hall

“Esta obra reúne textos de Stuart Hall, jamaicano radicado na Inglaterra, teórico das identidades culturais na modernidade tardia, com foco especial na dispersão e mistura do negro em outras culturas. Traz uma entrevista em que o pensador relata sua própria experiência e o que significou ‘para um caribenho negro como qualquer outro’ escrever ‘sobre e a partir dessa posição’. Hall afirma que a política de identidade essencialista é uma luta importante, mas não necessariamente leva à libertação da dominação. Esta se constrói em várias frentes, em um território cultural amplificado, que inclui a vida cotidiana, a cultura popular e a cultura de massa” (GoogleBooks)

LA MODERNIDAD DESBORDADA    – Arjun Appadurai

“O livro oferece um novo marco para o estudo cultural da globalização e demonstra que a imaginação opera no mundo atual, como uma força social que promove novas fontes de identidade e energia para a criação de alternativas para o Estado-Nação” (Fondo de cultura Económica)